areaRestrita

Só existem dois dias no ano em que você não pode fazer nada para ser mais feliz, Ontem e Amanhã. (Dalai Lama )

O poder não corrompe as pessoas; as pessoas corrompem outras pessoas." (William Gaddis)

Quem não se movimenta, não sentem as correntes que o prendem” (Rosa Luxemburgo)

Não existe caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho. (Mahatma Gandhi)

Aqueles que enxergam o invisível fazem o impossível. (Citado por Charlene Bernal)

Ao não tomar a decisão, você tomou uma decisão. Não fazer algo é o mesmo que fazê-lo. (Ivan Bloch)

Decida quanta energia você está disposto a empregar para atingir sua meta. Quantas horas por dia você está disposto a trabalhar? (Les Brown)

Existindo a pergunta, a mente pensa de novo. (Nancy Kline, Time to Think)

Descubra sua própria luz, ou passará o resto da vida sendo um pálido reflexo da luz alheia. (Paulo Coelho)

Sou uma parte de tudo aquilo que encontrei no meu caminho. (Alfred Tennyson)

FALAR DA GENTE E DOS OUTROS

Falar da gente e dos outros

"Falar da gente e dos outros

A comunicação verbal é usada quase metade do tempo para informar ao mundo como nos sentimos ou o que pensamos"

abril de 2014

Suzana Herculano-Houzel


Por que gostamos tanto de encontrar os amigos para botar o papo em dia e falar sobre a vida, a nossa e a dos outros? Por que passamos tanto tempo conversando animadamente sobre o último filme que vimos no cinema ou a roupa da atriz no Oscar?


É graças à fala que seres humanos podem facilmente trocar ideias e conhecimentos, filosofar em voz alta e fazer planos sobre como mudar o mundo. Por outro lado, compartilhar opiniões sobre filmes ou atrizes não vai mudar o curso da história, e tem boas chances de também não alterar as opiniões dos seus amigos. Mas se a comunicação é a capacidade que a atividade de um cérebro tem de influenciar a atividade do cérebro dos outros, então por meio de gestos, conversas e palavras escritas, nossos pensamentos afetam os dos outros. Por vezes trocam-se informações de fato úteis, e o azar do assalto sofrido por um se torna a precaução do outro. Outras, descobrem-se valores em comum, que servem de laços de identificação social, ou oferecem-se apoio, compreensão, e quem sabe até soluções inesperadas.


Trocar ideias é, sobretudo, uma maneira eficaz de expandir seus horizontes e o alcance do seu cérebro, inclusive vivendo, de maneira emprestada, vidas que não são suas – e aprendendo com elas. A comunicação permite ao cérebro transcender suas limitações, ainda que só por alguns instantes. Durante um livro ou filme, você pode experimentar mentalmente viver na Idade Média, ser capitão do Bope, ou corista do Moulin Rouge.


Na prática, contudo, a fala é usada quase metade do tempo para comunicar ao mundo como nós mesmos nos sentimos, do que gostamos ou o que pensamos. De 30 a 40% da fala cotidiana trata de nossas experiências próprias ou relacionamentos, e incríveis mas não surpreendentes 80% dos posts em mídias sociais servem para irradiar para o universo a vida pessoal de cada um.


É claro que há várias vantagens em falar de si mesmo. Fazendo isso, compartilhamos experiências e aprendemos uns com os outros – um benefício talvez já grande o suficiente para garantir que, evolutivamente, o hábito de falar de si mesmo fosse mantido e passado adiante.


Mas a motivação humana para falar tanto de si mesmo vem de dentro. Um estudo da Universidade Harvard mostrou que o hábito tem suas origens no sistema de recompensa do cérebro, aquele conjunto de estruturas responsáveis por nos premiar com uma sensação física de prazer quando fazemos algo que o resto do cérebro considera positivo ou interessante de alguma forma.


O estudo mostrou que, mesmo tendo a opção de receber mais dinheiro para responder perguntas sobre os gostos e hábitos de outras pessoas, ou sobre simples fatos, voluntários escolhem ganhar menos para falar de si mesmos – e de dentro de um aparelho de ressonância magnética, onde só os pesquisadores veem suas respostas. A preferência por falar de si mesmo corresponde a uma maior ativação das estruturas do sistema de recompensa e funciona mesmo quando segredo completo é garantido. O prazer de expressar seus próprios pensamentos e estado de espírito é real, mensurável, e vem lá dos cafundós do cérebro.


Mas, seres sociais que somos, a ativação do sistema de recompensa é especialmente alta quando os voluntários sabem que suas respostas serão ouvidas pelo acompanhante que eles trouxeram para o estudo. Falar de si é bom, mas falar de si para os outros é melhor ainda.



Veja Também